Pronatec: O que o governo Temer fará com ele?

Saiba como fica o pronatec e seus cursos, com o governo temer em ação, clique e confira!

Quando o Governo Federal de um país muda de partido sempre surgem muitas incertezas, sobre como ficaram os programa sociais, e as mudanças que a política vai passar. O Brasil passa por essa situação, e aqui você vai conhecer como ficará o Pronatec no governo Temer.

Como funciona o Pronatec?

O Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) foi fundado pelo Governo Federal em 2011, com o objetivo de auxiliar pessoas carentes na busca por uma formação qualificada. Ele também possuía a finalidade de expandir e democratizar a procura por cursos profissionalizantes e técnicos de nível médio, o que ajuda as empresas na busca por novos profissionais qualificados.

Parceiras do Pronatec

O Pronatec é um sistema que engloba várias instituições parceiras, como o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), SESI (Serviço Social da Indústria), SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), e também possui parceiras locais, que variam de acordo com o estado ou a cidade. Além disso, oferece cursos em universidades, entre elas a Anhanguera.

Pronatec Jovem Aprendiz

O Pronatec Jovem Aprendiz ajuda jovens ainda sem experiência no mercado de trabalho a conseguirem vagas em empresas, na qualidade de aprendiz. A diferença para o Pronatec “comum”, é que ele possibilita aos jovens a entrada direta nas empresas parceiras, enquanto no outro, é necessário realizar um curso técnico primeiro, para depois ir à busca de uma vaga. É uma excelente oportunidade para quem gosta de conhecer novas áreas, com ele você entra na função de estagiário, mas pode ser efetivado e construir uma carreira em uma grande empresa.

Mudanças no Pronatec

O Brasil passa por uma grave crise econômica, e a mudança na presidência causam medo aos estudantes. O novo governo deverá continuar investindo nos programas educativos como o Prouni (Programa Universidade Para Todos) e o Pronatec. Mas não deverão ser abertas muitas vagas para 2017, pois o orçamento ainda está apertado, esse corte de vagas já aconteceu em 2016.

pronatec

A crise econômica pode prejudicar o Pronatec?

Os novos representantes do MEC (Ministério da Educação) dizem que o programa estava sendo mal gerido, e gerando muitos gastos para poucas vagas. O Pronatec ofereceu aproximadamente 2 milhões de novas vagas em 2016, sendo 1,627 milhões para cursos de qualificação profissional e 372 mil vagas para os cursos do Pronatec. Esse número poderá ser mantido ou diminuído no próximo ano, as chances de aumentarem são muito pequenas. Algumas parcerias podem ser canceladas.

Gostaram das informações pessoal?

Dúvidas e sugestões podem deixar nos comentários!

Demissão por justa causa: saiba aqui todos os motivos e os direitos do trabalhador!

Você sabe todos os motivos que podem acarretar sua demissão por justa causa? Veja aqui todos eles e evite uma demissão dessa natureza.

Para você não ser pego de surpresa com uma demissão por justa causa, que restringirá você de continuar no trabalho e também de receber alguns direitos que a demissão comum tem, você deve ficar informado de todas as possibilidades existentes na lei brasileira trabalhista, sobre infrações que levam a justa causa. Assim não cometerá nenhuma dessas faltas e nem terá o desprazer da demissão. O artigo de hoje é especialmente sobre o assunto e tem a finalidade de lhe manter totalmente informado. Vamos explicar o que é a demissão por justa causa, quais motivos levam a ela, quais direitos você tem e quais perderá caso aconteça. Além de dicas valiosas.! Saiba tudo isso a seguir!

O que é a demissão por justa causa?

A demissão por justa causa é quando o empregado comete atos descritos e caracterizados na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) que fazem desaparecer a confiança e a boa fé por parte do empregador para com o empregado. O que torna indesejável a relação empregatícia.

Quando o empregado comete ações que trazem desprazer, desgosto, irresponsabilidade e prejuízo à empresa, o empregador tem o direito de dispensar esse empregado que está lhe trazendo danos e perdas com a justa causa. E fica isento de pagar certos direitos que o empregado teria se tivesse sido demitido sem justa causa.

Muitas pessoas têm dúvidas quanto aos motivos que podem levar a uma demissão por justa causa. Vamos listar todos no artigo de hoje para que você fique informado e não cometa nenhuma dessas ações e resguarde seu emprego.

Demissão por abandono de emprego

A demissão por justa causa de abandono de emprego pode ocorrer de algumas formas. Uma delas é quando o empregado deixa de comparecer ao local de trabalho por mais de trinta dias sem aviso, justificativa de falta ou atestado médico.

A outra possibilidade é quando o empregado apresenta atestado médico para afastamento do trabalho por certos dias, mas é visto habitualmente realizando atividades não condizentes com o seu estado de saúde atestado.

A outra forma existente de demissão por justa causa acontece quando o empregado falta seus dias de trabalho repetidamente sem justificativa, mesmo tendo sido advertido do fato pela empresa.

Demissão por ato lesivo à honra ou boa fama

Assédio moral e agressões verbais a colegas de trabalho, que afetem a honra e moral acarretam a demissão por justa causa. Além do fato de a vítima que sofreu as agressões poder processar judicialmente o agressor.

Tanto as agressões verbais quanto as físicas levam à demissão por justa causa.

Ato de improbidade

O ato de improbidade é quando o funcionário se aproveita da boa fé da empresa para atos de desonestidade, com o fim de obter lucro e vantagem para si ou para terceiros.

É uma ação ou omissão desonesta do empregado para com a empresa. Pode ser através de abuso de confiança, má fé ou fraude, onde quem sai em vantagem é o próprio empregado ou essas ações visem vantagem para terceiros.

Exemplos de ações que constituem ato de improbidade: adulteração de documentos pessoais ou pertencentes ao empregador e furto.Demissão por justa causa

Demissão por ato de violação de segredo da empresa

Caracteriza-se a violação de segredo da empresa, se o segredo for revelado a terceiro que tenha a intenção de prejudicar ou possibilidade de prejuízo ao saber do segredo.

 

Embriaguez habitual ou em serviço

A demissão por justa causa acontece se o empregado se embebedar durante sua jornada de trabalho ou se chegar bêbado para trabalhar. A embriaguez identificada deve ser comprovada por exame médico pericial, para justificar a demissão.

Uma embriaguez contínua, quando o empregado chega sempre bêbado todos os dias ou sob o efeito de drogas. Nesse caso trata-se de uma doença, como o alcoolismo. Dessa forma não cabe a demissão por justa causa, mas sim um tratamento e apoio oferecido pela empresa ao funcionário.

Negociação habitual

A negociação habitual acontece quando o empregado, sem autorização expressa do empregador, exerce atividade ou função no seu horário de trabalho que concorra com a empresa em que presta serviços. Onde explora o mesmo ramo de negócios e, além disso, também prejudique sua função na empresa. Essa ação e omissão é motivo de demissão por justa causa.

Direitos na demissão por justa causa

A maioria dos direitos das leis trabalhistas são oferecidos ao empregado que foi demitido sem justa causa. Para quem foi demitido por justa causa deixará de receber alguns direitos. Entre eles estão: o aviso prévio, o empregado não terá o tempo de 30 dias para procurar outro emprego enquanto ainda está na empresa trabalhando; não terá também o direito ao seguro desemprego; nem poderá sacar seu FGTS.

Os direitos garantidos ao empregado demitido por justa causa são:

  • Os saldos dos dias trabalhados no mês desde o último pagamento
  • O equivalente as férias se já estiverem vencidas.

Para outras dúvidas e sugestões sobre demissão por justa causa nos deixe comentários.

Até a próxima!

Como fazer um bom currículo! Veja aqui as melhores dicas!

Com 5 anos de experiência no mercado de trabalho como analista de marketing, graduado em Publicidade e Propaganda e pós-graduado em Comunicação digital pela PUC-MG, me vi desempregado num mercado de trabalho saturado e em meio a uma crise econômica sem precedentes. O que fazer? Bom, para começar é hora de atualizar o currículo. Mas como fazer um bom currículo atualizado? Para começar o currículo é sua apresentação profissional, nada de adicionar informações pessoais ao extremo, como hobbies preferidos ou gosto musical. Nele você deve salientar suas habilidades e sua experiência profissional de forma limpa e bem estruturada.

Dados Pessoais:

São as primeiras informações básicas sobre você, dessa forma os examinadores podem te localizar e te contatar. Neste campo deve-se dispor as seguintes informações: nome completo, idade, estado civil, telefone fixo (caso possua), telefone celular e e-mail.

Objetivo:

Aqui você expõe um pouco sua aspiração profissional, mas calma lá não vá dizendo que quer ser presidente da empresa, esta sessão deve conter apenas o cargo desejado e a área de interesse. Não é aconselhável estender muito, no máximo duas linhas são o suficiente e é recomendado não colocar mais de uma área de interesse.

Formação Acadêmica:

Os nomes das instituições devem estar escritos por extenso, nada de abreviações neste momento pois é necessário demonstrar respeito pelas entidades de ensino que lhe concederam o diploma. As datas de início e término dos cursos também devem ser colocadas e nada de mentir, além de demonstrar mal caráter a empresa pode ter acesso a esses dados e não pegar muito bem para você. Os cursos devem ser colocados em ordem de importância e cursos técnicos só tem relevância caso tenham relação com a área preterida.

Experiência Profissional:

Esta parte deve ser feita com bastante calma, nela deve constar os nomes das empresas trabalhadas, cargos exercidos, datas de entrada e saída em cada empresa e uma descrição objetiva das funções exercidas durante o período trabalhado. Seja breve e coloque apenas as funções as quais você era responsável, desta forma o recrutador poderá conhecer sua competência.

Idiomas:

Apenas o idioma e o nível em Escuta, Conversação e Escrita, não se esqueça que você será testado.

Informática:

Mais uma vez, apenas o nível de conhecimento sobre as ferramentas de informática internet.

Cursos:

Apenas os cursos relacionados a área de interesse.

Mas como fazer um bom currículo para o primeiro emprego?

Bom neste caso você deve colocar suas experiências durante o período da faculdade, seminários e minicursos dos quais participou (dos quais possui certificado se possível), estágios, monitorias e até participação em movimento estudantil pode contar positivamente para o recém-chegado ao mercado de trabalho. De qualquer forma o Curriculum Vitae (Era assim que seus pais chamavam o currículo) não deve ter mais de duas páginas, deve conter foto apenas se for requerido pela empresa e quase sempre é uma 3 x 4 atualizada.

Pronto! Agora é só colocar o seu currículo atualizado à disposição no mercado, procure o SINE da sua cidade, ou se cadastre nos sites de empregos e boa sorte!

Medicina na Bolívia: Compensa? Quanto custa? Como funciona?

Praticar a medicina é o sonho de inúmeros brasileiros, é um trabalho gratificante pois o graduado tem a chance de trabalhar salvando vidas em casos mais extremos ou contribuindo para a qualidade de vida da população. São incontáveis campos de especialização encontrados passando por ortopedia, obstetria, pediatria e até a psiquiatria é um ramo da medicina, focada nos estudos e tratamento do cérebro. Mas todos sabemos as dificuldades encontradas no nosso país para ingresso em tais cursos, faculdades federais possuem os vestibulares mais concorridos do país, chegando a 300 candidatos por vaga e muito mais dependendo da universidade e região.

Nesses casos os alunos que se prepararam desde o ensino fundamental em escolas particulares têm maiores chances de passar, estes possuem mais tempo de prática nas matérias cobradas no ENEM e SISU, assim como na maioria das provas de vestibular aplicadas pelas escolas de ensino superior nacionais. A alternativa para quem não vinha se preparando desde a adolescência são as universidades particulares, mas não são acessíveis a maior parte da população por cobrarem mensalidades exorbitantes podendo chegar a 4 mil reais por mês, fora os custos com moradia, alimentação, transporte e lazer estes gastos podem chegar a 6 mil reais mensais.

Mas fazer medicina na Bolívia compensa?

Essa dúvida permeia a mente das pessoas que desejam estudar medicina, mas que não tem condições de ingressas nas faculdades do Brasil, seja por falta de preparação ou por falta de dinheiro mesmo, como dissemos as particulares são muito caras e as federais concorridas por candidatos que se preparam anos para prestar o vestibular. Com isso vários vestibulandos estão procurando alternativas mais baratas e de qualidade na américa latina, como é o caso da Bolívia. Primeiramente não é necessário nenhum tipo de prova ou exame, o candidato garante sua vaga ainda no Brasil através de matrícula e ingressa na faculdade sem nenhum problema.

Quanto custa?

O valor das mensalidades das universidades de medicina na Bolívia gira em torno de 300 reais. Bem inferior ao valor encontrado aqui não é mesmo? O custo de vida na Bolívia também é bem inferior ao brasileiro, ainda mais que a nossa moeda é valorizada em relação ao peso boliviano (1 real está em torno de 0,46 pesos, ou seja, o dobro do valor da moeda nacional). Os custos de vida na Bolívia relativos a transporte, alimentação e moradia não ultrapassam os 1100 reais, tornando a Medicina na Bolívia uma ótima alternativa para quem quer exercer a profissão e não está disposto a pagar os valores exorbitantes encontrados aqui. As escolas de Medicina da Colômbia já estão habituadas a grande migração brasileira a procura do curso, algumas chegam a ter turmas formadas apenas por brasileiros, já que os colombianos disputam vagas nas federais do país, sendo estas tão concorridas quanto as daqui.

O processo de imersão em uma cultura diferente pode ser doloroso, mas quando se está em um país latino americano não é tão difícil assim, a língua é parecida e os cidadãos tem a mesma característica receptiva e calorosa dos brasileiros. Ao voltar para o Brasil com o diploma é necessário fazer uma prova proposta pelo MEC, para que o mesmo seja válido no Brasil. Mas depois de se formar em medicina, uma prova para testar sua capacitação já não parece tão ruim não é mesmo?

 

Entrevista de emprego: Saiba como se preparar e ganhe confiança!

Em julho de 2016 o Brasil tinha mais de 12 milhões de desempregados, e a entrevista de emprego, que sempre foi uma situação de muita tensão, tem deixado os candidatos ainda mais ansiosos por causa da crise financeira do país.

Num passado não muito distante, saber datilografia te deixaria à frente dos outros candidatos. Depois, a exigência era ter conhecimentos de informática e inglês. Fazer faculdade ou ter um diploma de nível superior também já fez diferença. Hoje, milhões de pessoas com ou sem experiência, com níveis de escolaridade e profissões diversas vivem na incerteza, e por isso a possibilidade de não conseguir aproveitar uma entrevista de emprego para mostrar todo o seu potencial e diferencial tem assustado ainda mais.

Manter a calma nesse momento é muito importante, então vamos começar falando do óbvio: Você mandou o seu currículo, concorreu com várias pessoas e foi chamado pra entrevista. Isso é um bom sinal! O entrevistador considerou que você pode ser a pessoa que eles estão procurando! Mas apesar de ser uma grande vitória, o “pior” ainda está por vir, e por isso vamos dar algumas dicas para você se preparar para a hora de estar frente a frente com o entrevistador:

Pesquise sobre a empresa

A maioria das empresas disponibiliza na internet algumas informações relevantes, como quantidade de funcionários, estrutura organizacional, dados financeiros, origem e história da empresa, além dos seus valores. Vale pesquisar também sobre o ramo ou segmento da empresa para mostrar interesse e conhecimento, além de te ajudar a responder a famosa pergunta “por que você quer trabalhar aqui?” ou fazer perguntas para o entrevistador. Elas são sempre bem-vindas e bem vistas!

Outra informação pertinente sobre a empresa é a forma como os funcionários se vestem para trabalhar. Se vestir parecido com os funcionários vai fazer com que o entrevistador consiga te imaginar como parte integrante da equipe. Se não conseguir essa informação, tente aliar o seu estilo e personalidade com o dresscode da sua área de atuação.

Saiba falar sobre você

Muitos entrevistadores pedem para os candidatos citarem seus defeitos e qualidades, e o maior erro nessa hora é apelar para clichês como “sou muito perfeccionista”, que demonstram pouco autoconhecimento e uma tentativa de demonstrar não ter defeitos.

O ideal aqui é mostrar que sabe o que precisa melhorar e o que está fazendo para que isso aconteça. É muito ansioso? Diga que faz (ou pretende fazer) meditação ou yoga para reduzir o impacto disso na sua vida pessoal e profissional, por exemplo.

Na hora de falar de suas qualidades, fique no meio termo entre a modéstia e a arrogância. Os seus colegas de trabalho sempre te elogiam por alguma característica? Não tenha medo de falar sobre isso, e citar situações em seu favor.

Outra pergunta comum é “por que você deve ser escolhido?”, que geralmente encerra a entrevista. Você pode responder com um resumo de tudo que foi falado, relembrando as suas qualidades pessoais, competências técnicas e comportamentais, conhecimentos e experiências.

Saiba falar sobre a sua carreira

Tente lembrar-se de situações e resultados importantes da sua carreira, para acrescentar às informações que já constam no currículo e citar como exemplo das suas habilidades. É comum que os entrevistadores façam perguntas baseando-se nas competências do cargo, então se você estiver concorrendo a uma vaga que exija que você seja criativo e demonstre liderança, por exemplo, tenha alguns exemplos em mente para citar. Se for o seu primeiro emprego, você pode falar de experiências pessoais ou da época da faculdade também.

entrevista-de-emprego

Outra dica importante é sempre finalizar os assuntos com alguma coisa positiva, pois pode servir de gancho para a próxima pergunta e fazer o assunto continuar, fazendo a sua carreira parecer ter mais pontos positivos que negativos. Exemplo: Se tiver que falar de um projeto que não deu os resultados esperados, termine falando sobre como foi importante trabalhar em equipe e o que essa situação ensinou.

Como falar sobre remuneração e benefícios

Com a crise, algumas empresas estão contratando profissionais por um salário menor, e a média salarial de algumas profissões e segmentos caiu consideravelmente. Procure saber qual é a nova prática de mercado, considerando empresas do mesmo porte e segmento da empresa que está pleiteando a vaga.

Se você informar a sua pretensão salarial e a empresa oferecer um valor muito abaixo, fale sobre o seu último / atual pacote de benefícios, e caso a oportunidade seja interessante, mostre flexibilidade para negociar, ou interesse em aceitar o cargo nas condições que a empresa ofereceu.

Uma dica na hora de falar sobre pretensão salarial é citar o que você pode agregar à empresa, e não falar sobre os seus gastos fixos. Uma empresa não vai te pagar R$5000,00 porque o seu aluguel custa R$2000,00 ou porque você tem filhos pequenos e a creche é cara, mas sim porque você demonstra merecer o salário que pede.

Seja pontual na entrevista de emprego

Tente prevenir imprevistos que façam você chegar atrasado, pois isso pode te tirar alguns pontos e causar uma má impressão, mas também evite chegar com muita antecedência, pra não parecer ansioso demais. O ideal é se planejar para estar no local da entrevista 15 minutos antes do horário marcado.

Treine suas respostas

Quanto mais você faz entrevistas, mais se sente preparado para as infinitas possibilidades de perguntas e respostas e fica menos ansioso com essa situação. Peça que um amigo, seu marido ou namorado simule uma entrevista com você na véspera, ou faça esses simulados em agências de recolocação profissional, que cobram por esse serviço e podem te ajudar a se planejar melhor.

Confira este vídeo com mais dicas para se preparar para uma entrevista de entrego:

Este artigo foi útil para você? Conta pra gente aqui no comentários!

Medicina na Argentina: Compensa? Quanto custa e como funciona?

Primeiramente deve-se saber que o curso de medicina não é fácil em lugar nenhum do mundo, é necessário muito esforço e dedicação para se graduar nessa área, independente da universidade ou país em que você reside.  Mas para saber se estudar Medicina na Argentina compensa é necessário algum tempo dedicado a pesquisa dos pacotes oferecidos pelas universidades e agências de intercâmbio, os preços variam entre 2 mil e 5 reais dependendo do pacote, que pode incluir taxas, translado, recepção, documentos necessários para aprovação e etc. Vamos falar mais sobre isso nos tópicos a seguir. Continue lendo para saber mais!

Como funcionam os cursos de medicina na Argentina?

Mas o mais importante é saber que assim como no Brasil, ser aprovado no curso não é fácil. Na Argentina é diferente, mas não menos desafiador, por lá deve-se estudar durante seis meses o chamado ciclo básico, a carga horária das aulas giram em torno de 4 horas por disciplina e não se engane, é bem diferente das universidades privadas do país onde os professores entregam o conteúdo mastigado na sala de aula e o aluno só precisa engolir. Nas faculdades de medicina da Argentina os professores esperam que os alunos preparem as aulas antes mesmo de terem aprendido sobre a matéria, a aula serve para que os professores façam uma explicação do assunto e para que os alunos tirem as dúvidas que tiveram enquanto estudavam o assunto.

Mas qual o valor gasto em média?

Bom se você está preparado para tudo o que dissemos anteriormente e tem garra e dedicação para seguir o seu sonho de estudar medicina na Argentina, agora precisa se perguntar quanto pode gastar para tanto. Assim como no Brasil e em qualquer lugar do mundo, a quantidade de dinheiro gasto irá depender diretamente de algumas escolhas feitas por você, por exemplo: se optar pela faculdade pública não terá gastos com o ensino, mas a sua preparação deverá ser quase a mesma necessária para se ingressar numa federal no Brasil, isso pede investimento em cursinhos ou um ensino médio de qualidade. A mensalidade das universidades particulares de medicina da Argentina varia entre 500 e 1000 reais por mês, mas sabemos que os gastos vão muito além desse valor e nessa hora você deve optar entre as 3 opções mais comuns de moradia.

Para um custo baixo, pode-se optar por morar nos dormitórios da própria universidade, dividindo quarto com outros alunos e sendo responsável por cozinhar sua comida, lavar suas roupas e economizar com viagens e gastos de lazer. Neste caso o valor mensal fica em torno de 1950 reais/mês já incluindo o preço da mensalidade, se a universidade for pública este preço pode cair para 1350. Mas se você tem uma condição melhor, não sabe (ou não quer) cozinhar e deseja fazer turismo na Argentina, existe a opção de dividir despesas de um apto com outros estudantes e alternar entre almoço em casa e em restaurantes, nesse caso o custo gira em torno de 2490 reais em universidade particular e 1740 nas universidades públicas.

Agora se você tem realmente uma condição melhor pode alugar seu próprio flat, almoçar em restaurantes 5 vezes por semana, viajar pela Argentina e ainda fazer compras gastando em média 3800 reais nas universidades pagas e 2800 caso opte por uma universidade pública. Deu pra perceber que são várias opções certo? Escolha e que melhor se adequa a sua realidade e busque seu sonho de estudar medicina na Argentina!

E você? Ainda tem alguma dúvida? Deixe o seu comentário abaixo!

Bolsas de estudo: Como conseguir? O que é necessário?

Veja como conseguir uma bolsa de estudos, se qualificar e se preparar pro mercado.

No mundo atual, muitas instituições particulares ou públicas de estudos concedem um certo número de bolsas das mais variadas vertentes do estudo. Existem no mercado alguns programas interessantes como o Pronatec e Fies do governo, e outros da iniciativa privada, como o Educa mais brasil.

No artigo de hoje, separamos abaixo outras dicas para auxilia-lo na conquista de uma bolsa de estudo, tanto em uma instituição pública e privada.

Atenção a escolha da instituição

E importante pesquisar quais instituições podem lhe interessar e que sejam mais alcançáveis em termos de bolsas. Muitas pessoas não sabem onde começar a procurar por bolsas de estudo, mas existem diversas fundações que oferecem apoio financeiro para estudantes. Pesquise na internet e converse com colegas para saber quais instituições possam ser mais interessantes, pois alguns desses benefícios estão atrelados a programas de pesquisa e podem não ter tanto a ver com seus objetivos.

Bolsas nas universidades particulares

Universidades, faculdades e instituições em geral, de todo o Brasil, oferecem bolsas de estudo para mais da metade de seus alunos em forma de descontos para conter a inadimplência. 2 programas importantes e que tem feito bastante sucesso são o Educa mais Brasil e o Quero Bolsa.

Educa Mais Brasil

Trata-se de uma empresa privada que recruta alunos para faculdades oferecendo bolsas em escolas de ensino superior, como é o caso do Mais Estudo que faz convênios com faculdades para oferecer descontos nas mensalidades de cursos de graduação e idiomas.

Para ser aprovado na Educa Mais Brasil e Mais Estudo, é necessário fazer a inscrição online e atender os critérios do programa de acordo com as vagas disponíveis.Para liberar o desconto, a Educa Mais Brasil exige o pagamento de uma mensalidade e cobra taxas (não divulgadas) para renovar o desconto semestral. Assim como no Mais Estudo que faz a liberação mediante o pagamento de uma taxa associativa durante todo o semestre.

bolsas de estudoQuero Bolsa

No Quero Bolsa a inscrição também é online e o único critério é não estar cursando o curso pretendido. O processo é simples, rápido e todo feito pela Internet. Você escolhe uma bolsa disponível em alguma instituição parceira, ou entra usando o Desconto Negociado e espera receber uma proposta personalizada de bolsa.

O Quero Bolsa cobra apenas uma taxa única para primeira emissão do cupom de desconto, sem nenhum outro custo até o fim do curso. Diferentemente de outras associações e serviços, o Quero Bolsa não cobra taxas semestrais nem exige participação em qualquer reunião ou evento. O Cupom de desconto pode ser usado por todo o curso e garante a bolsa até a formatura do aluno.

Existem, nestas empresas, vários tipos de desconto nas mensalidades através das bolsas: Bolsa-idade, bolsa-mérito (notas boas), bolsa para funcionários e parceiros, financiamentos próprios, etc.

Já na matrícula as instituições avaliam qual a faixa salarial da família do aluno e o direcionam para as melhores bolsas de estudos para aquele caso. Eles fazem qualquer negócio para manter o aluno. Inclusive notas boas no vestibular podem render bolsas de estudo.

Bolsas nos programas do Governo Federal

Os programas mais famosos são o Prouni e o Pronatec:

bolsas de estudo Prouni

O Programa Universidade para Todos (Prouni) tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação em instituições privadas de educação superior.

Podem se inscrever no processo seletivo do Prouni, os candidatos que não possuam diploma de curso superior que tenham realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em  e alcançado no mínimo 400 pontos na média das cinco notas (ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias e redação).

Para concorrer às bolsas integrais o candidato deve ter renda familiar de até um salário mínimo e meio por pessoa. Para as bolsas parciais (50%) a renda familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Pronatec

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego oferta cursos de educação profissional e tecnológica aos estudantes. Para se inscrever nas diversas opções de cursos técnicos oferecidos, é preciso se cadastrar no Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec). Durante a inscrição, o candidato pode escolher até duas opções de cursos técnicos. As vagas são destinadas, principalmente, aos candidatos que cursaram o ensino médio completo na rede pública ou como bolsista integral em instituições privadas.

Bom pessoal, espero que tenham curtido as dicas e que consigam com sucesso a sua bolsa de estudos ok? Dúvidas e sugestões de artigos podem deixar nos comentários!

Aposentadoria por invalidez: saiba aqui todos os requisitos e regras do INSS

Precisa fazer a requisição de aposentadoria por invalidez, mas não sabe como? Não sabe se tem mesmo direito? Descubra aqui tudo sobre aposentadoria por invalidez.

Uma doença ou um acidente podem tornar uma pessoa incapaz para sempre de continuar exercendo suas funções em seu trabalho e é para isso que existe a aposentadoria por invalidez. Muitas pessoas desconhecem seus direitos e as doenças que lhe permitem esse benefício. Pensando nas dúvidas de nossos leitores elaboramos um artigo especial que esclarece tudo sobre a aposentadoria por invalidez e seus trâmites.  Veja a seguir.

O que é a aposentadoria por invalidez pelo INSS? Quem tem direito?

A aposentadoria por invalidez acontece quando você está em exercício de sua profissão e é acometido por doença grave ou degenerativa e essa doença te impossibilita totalmente e para sempre de exercer sua função ou qualquer outra. A doença te impossibilita você continuar trabalhando até que complete os 35 anos completos de contribuição e dessa forma pedir a aposentadoria tradicional.

Quem tem direito a fazer o requerimento de aposentadoria por invalidez pelo INSS é quem é contribuinte previdenciário e já cumpriu a carência de pelo menos 12 meses de contribuição ao INSS.

Nem todos os casos precisam correr os 12 meses de carência, algumas doenças muito graves estão isentas desse período. Tais doenças são:

  • Tuberculose ativa;
  • Hanseníase;
  • Alienação mental;
  • Neoplasia maligna;
  • Cegueira;
  • Paralisia irreversível e incapacitante;
  • Cardiopatia grave;
  • Doença de Parkinson;
  • Espondiloartrose anquilosante;
  • Nefropatia grave;
  • Estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante);
  • Síndrome da Imunodeficiência Adquirida-AIDS;
  • Contaminação por radiação com base em conclusão da medicina especializada;
  • Hepatopatia grave.

aposentadoria por invalidez

Essas são apenas umas doenças já pré-definidas, mas outras também poderão entrar nesse rol. Tudo dependerá da avaliação do médico perito e também da gravidade da doença em questão. Alguns tipos de câncer (neoplasia maligna) podem incapacitar o trabalhador, mas não para uma aposentadoria, talvez como um auxílio doença.

Como é o procedimento para requisição de aposentadoria por invalidez?

Se você já foi diagnosticado pelo seu médico especialista sobre sua doença e ele afirma e recomenda que você deva fazer a requisição para o benefício de aposentadoria por invalidez, o primeiro passo que você deve tomar é fazer o agendamento de perícia no INSS. Esse agendamento pode ser feito pelo telefone através do número 135. É mais recomendado que você faça esse agendamento através do site, pela internet, porque esse tipo de agendamento te dará um comprovante com a data e hora. Assim, no dia você terá um comprovante de agendamento para apresentar caso haja alguma confusão no dia de sua consulta.

Quando chegar o dia e a hora de sua consulta com o médico perito do INSS tenha em mãos todos os documentos sobre sua doença. Todos mesmo, todos os exames, todas as receitas dos médicos, os dias em que você esteve no hospital, toda a comprovação de sua internação, atestados e principalmente os diagnósticos dos médicos especialistas com o CID. O CID é o código internacional de sua doença e que será de grande importância para o médico perito do INSS decidir favoravelmente sobre seu pedido de aposentadoria por invalidez.

E se o pedido por aposentadoria for negado pelo INSS? O que eu faço?

É muito comum acontecer de o perito negar o pedido de aposentadoria por invalidez. Pode acontecer por erro do INSS ou por uma consulta mal feita que tenha durado menos de 5 minutos de avaliação.

Quando isso acontecer você poderá entrar com uma ação judicial, muitos pedidos são atendidos apenas através de uma ação judicial. Nessas ações o juiz coloca à disposição para avaliar a doença e o caso um médico especialista e não um clínico geral, como ocorre com os peritos do INSS.

Esperamos que o texto de hoje tenha solucionado suas dúvidas.

Para outras dúvidas e sugestões nos deixe comentários.

Até a próxima!

Seguro Desemprego: Quem tem direito?

O seguro desemprego é um benefício trabalhista, assim como o FGTS e o PIS, ofertado para todos os brasileiros que se encaixam em um determinado perfil. Esse é considerado um dos mais importantes direitos para os trabalhadores e consiste no pagamento de salários entre 3 e 5 meses consecutivos.  Além dessa característica, o seguro desemprego tem outras particularidades que todos precisamos conhecer. Veja mais!

Veja quem possui direito ao benefício

Entre os perfis de trabalhadores que têm direito ao seguro desemprego, destacamos:

  • Todo trabalhador formal, que foi dispensado da empresa sem justa causa;

  • Empregados domésticos com sistema de carteira assinada ou contrato de prestação de serviço;

  • Trabalhador formal que teve seu contrato suspenso devido programas de qualificação profissional ou cursos. Nesse caso, estão válidos apenas cursos e programas oferecidos pelo próprio empregador;

  • Pescadores profissionais que estão em período do defeso;

    seguro desemprego

Como solicitar e receber o seguro desemprego

A solicitação do seguro desemprego é feita em qualquer posto de atendimento das SRTE – Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego, do SINE – Sistema Nacional de Emprego, além de algumas agências credenciadas da Caixa. Existem também outros canais de atendimento, todos ligados ao Ministério do Trabalho e Emprego. O prazo para a solicitação é entre o 7º e o 120º dia após a dispensa.

É preciso apresentar alguns documentos para habilitar o seu seguro desemprego. São eles:

– Carteira de Trabalho;

– Inscrição do PIS/PASEP caso a sua carteira não tenha sido impressa com ele;

– Requerimento do seguro desemprego, dado pelo seu empregador ou impresso através do Empregador Web no Portal Mais Empregos;

– Documento que comprove a rescisão do contrato de trabalho;

–  Extrato do FGTS

Caso você já tenha uma conta na Caixa Econômica Federal do tipo Poupança ou Caixa Fácil, após solicitar o seguro desemprego pode cadastrá-la e o valor é creditado mensalmente na sua conta. Do contrário, é preciso sacar em uma agência do banco ou nas Casas Lotéricas. Com o Cartão do Cidadão, você também pode retirar o seu seguro desemprego em qualquer canal de autoatendimento da Caixa.

Calculando o valor das parcelas

Geralmente, o valor que você receberá durante o período do seguro desemprego é similar ou igual ao seu salário do contrato de trabalho. O cálculo é feito através de uma média dos últimos três meses de trabalho na empresa.

Existem categorias trabalhistas, como por exemplo o empregado doméstico, o pescador e trabalhadores resgatados de trabalho escravo, que recebem 1 salário mínimo sempre de seguro desemprego.

Considerações importantes sobre o seguro desemprego

  • Caso haja morte do beneficiário no período do pagamento, o valor do seguro desemprego não pode ser sacado por parentes ou outros responsáveis;

  • A partir de 2016, todos aqueles que conseguirem uma proposta de emprego ainda no período desse pagamento, o benefício é automaticamente suspenso. Anteriormente era possível continuar recebendo nos três meses de experiência;

  • Somente recebem cinco parcelas do seguro desemprego se o trabalhador tiver contrato firmado nos últimos 36 meses antes da dispensa. E apos utilizar, ele fica 16 meses sem poder solicitar novamente, por isso tenha sempre em mente qual seu verdadeiro objetivo profissional antes de utilizar o beneficio.

Agora você já sabe como solicitar o seu seguro desemprego! Tem mais alguma dúvida sobre o assunto? Deixe seu comentário!

Se tiver também ideias de novos artigos que quer ler aqui estamos a disposição!

Auxílio doença INSS: Quem tem direito? Qual valor? Veja isso e mais!

Quer saber se você tem direito ao auxílio doença INSS? Qual a carência de contribuição? Quem tem esse direito? Essas e outras dúvidas você resolverá aqui. Veja a seguir!

Se você precisa se afastar do trabalho por algum tipo de doença, mas ainda não sabe se tem direito ao auxílio doença INSS, o artigo de hoje poderá te ajudar. Aqui você saberá sobre os trâmites, a documentação, o tempo necessário para fazer a solicitação e etc. Pensando em nossos leitores fizemos uma pesquisa detalhada sobre o auxílio doença INSS e vamos esclarecer tudo para você. Não perca mais tempo e tire todas as suas dúvidas!

O que é o auxílio doença INSS? Quem tem direito?

O auxílio doença INSS é um benefício previdenciário. É um seguro da previdência social do Brasil, regulamentado pela lei 8.213/91. Sua finalidade é remunerar o previdenciário monetariamente que está incapaz de exercer suas funções no trabalho por motivos de doenças graves e está afastado de suas funções. Dessa forma o governo pagará certa quantia ao segurado para que pague suas despesas básicas.

Tem o direito o empregado que tem carteira assinada e contribui mensalmente de forma regular com seus tributos e com o INSS. Por ter regularidade em sua contribuição o governo federal tem o dever de auxiliar o segurado pelo tempo que a perícia médica determinar que ele deva ficar afastado de suas funções e de seu trabalho.

Quando um funcionário tem uma doença, ele leva à empresa um atestado feito pelo médico. Esse atestado garante o afastamento de alguns dias para recuperação e a remuneração pela empresa por esses dias de afastamento. Porém esse tempo não pode exceder 15 dias. Se o paciente precisar de mais de 15 dias de afastamento, a empresa não remunerará mais. É aí que o empregado tem que entrar com o pedido de auxílio doença ao INSS. Para mais de 15 dias de afastamento é necessário o pedido de auxílio doença.

Auxílio doença INSS

Qual o tempo de carência para pedir o auxílio doença no INSS?

Essa é uma dúvida que aparece para todos que precisam fazer a solicitação do auxílio doença no INSS. Isso porque existe um tempo de carência para solicitação. Por exemplo, se você estava desempregado há um tempo e então entrou em um trabalho novo e está lá há 3 meses, ainda não terá direito a pedir o auxílio doença. O tempo de carência para o pedido é de 12 meses ininterruptos de contribuição.

Se você estava em um trabalho por 6 meses, contribuindo todo mês, saiu desse trabalho e foi para outro imediatamente e continuou contribuindo por mais 6 meses, não terá problema, pois correram os 12 meses ininterruptos de contribuição. Assim você terá direito de fazer o requerimento do seu auxílio doença.

Em algumas doenças mais graves não há esse tempo de carência: doença de Parkinson, nefropatia grave, tuberculose ativa, alienação mental, doença de Paget, hanseníase, neoplasia maligna, paralisia irreversível e incapacitante, cegueira, espondiloartrose anquilosante e AIDS.

Qual o valor do auxílio doença?

O valor do auxílio doença não é um valor já pré-fixado para todo mundo. Esse valor vai variar de acordo com o seu salário e o percentual que você contribui. A partir daí será feito um cálculo em cima do valor de contribuição que dará o valor que você tem direito a receber!

Como é o processo para conseguir o auxílio doença?

A partir do momento que acabar seu atestado médico de 15 dias e você ainda precisar se afastar do trabalho é a hora de pedir o auxílio doença. Você deve entrar em contato com o número 135 pelo telefone ou pelo site da Previdência Social e agendar a perícia médica. O próprio médico da Previdência irá avaliar o seu caso e sua doença e definir o tempo de afastamento e auxílio doença que você vai precisar.

Para dúvidas e sugestões nos deixe comentários.

Até a próxima!