Intercâmbio Irlanda: Veja as melhores opções para realizar esse sonho!

Um dos destinos mais procurados pelos brasileiros para fazer intercâmbio é a Irlanda. O país tem uma série de programas e pacotes diferentes para receber gente do mundo inteiro. Está entre as nações que mais recebem intercambistas de todo o mundo. Nos tópicos a seguir você vai entender porque o intercâmbio Irlanda é tão famoso assim, o que o país oferece de bom para os jovens e quais tipos de programas de estudo e de trabalho você pode fazer lá. Confira!

Intercâmbio Irlanda Preço

O tipo mais comum de intercâmbio na Irlanda é o que mistura o curso de idiomas mais a oportunidade de trabalhar lá. Você poderá conhecer o país e boa parte da Europa após o fim do curso. Esse programa é de um ano: seis meses de estudo + seis meses livre. Durante esses doze meses é possível trabalhar.

Nesse tipo de intercâmbio na Irlanda, que é o mais famoso e escolhido pela maior parte das pessoas, o valor do pacote fica em torno de 12 a 15 mil reais, incluindo o curso, algumas semanas de acomodação e outras ajudas, a depender da empresa que você fechar contrato.

Existe a possibilidade de ficar apenas seis meses, ou menos tempo, os valores vão diminuindo com essa diferença de período.

Intercâmbio de 1 mês

Se você quiser ou puder ficar apenas um mês no seu intercâmbio na Irlanda, existe essa opção em diversas empresas especializadas nesse tipo de experiência. Os valores são variados. Você vai encontrar agências que cobram pelo curso e hospedagem o valor de 2 mil reais e outras em que esse preço pode chegar aos 6 mil.

Muitas pessoas têm dúvidas a respeito do quanto se gasta no total, contando passagem área, alimentação, transporte e outros gastos além desses. Para quem for ficar um mês, o bom é ir com todo o dinheiro, porque não se pode trabalhar na maioria dos programas de intercâmbio. Se você levar cerca de 10 mil reais já é o suficiente para pagar tudo, inclusive as passagens que são a parte mais cara da viagem.

Intercâmbio Irlanda

De 1 ano

O mais tradicional é o intercâmbio para a Irlanda de um ano, em que a pessoa fica seis meses estudando inglês e os outros seis meses livres para viajar, curtir, conhecer a Europa. O pacote oferecido pelas agências de intercâmbio cobra cerca de 15 mil reais por esse programa, porém você vai ter muitos gastos lá. É um ano de alimentação, transporte e outras coisas a se pagar.

Por isso, esse tipo de intercâmbio libera que a pessoa trabalhe durante todos os 12 meses que ficar por lá. Existem diversos casos de pessoas que se deram tão bem no trabalho, que conseguiram o visto de trabalho permanente e hoje continuam morando na Europa. Se você tem essa vontade, fazer esse intercâmbio pode abrir muitas portas.

Além disso, com seis meses de estudo e um ano de ambientação, você vai sair de lá com o inglês fluente, pelo menos na parte da conversação que é a mais utilizada.

Intercâmbio Irlanda de 3 meses

Se você acha pouco um mês, mas também não tem dinheiro para seis meses ou um ano, a opção é ficar três meses na Irlanda. Existem alguns programas que liberam a pessoa para trabalhar, inclusive os famosos Au pair, que é um tipo de babá que mora na casa de uma família, ajuda a cuidar dos filhos e recebe em troca a acomodação, alimentação e um salário para poder conhecer os países europeus.

De 6 meses

Caso você não possa ou não queira ficar um ano, com seis meses é possível fazer o curso e depois voltar para o Brasil. O valor sai um pouco mais barato, mas a diferença não é tanta, porque o que custa mesmo para as agências são a hospedagem e o próprio curso de idioma.

Então, se por um ano o valor que as empresas de intercâmbio para a Irlanda cobram 15 mil reais, mais ou menos, para os seis meses esse valor cai para cerca de 12 mil reais, aproximadamente.

Agências

São várias as agências de intercâmbio que fazem os programas para a Irlanda. Entre as mais conhecidas estão a EF, a CI, a IPB e a Wordy Study. Basta analisar qual delas vai atender melhor seus planos e orçamento para o intercâmbio.

Confira também nosso post sobre Intercâmbio na Austrália!

Caso ainda tenha restado alguma dúvida sobre o intercâmbio Irlanda, deixe o seu comentário aqui embaixo!

Intercâmbio na Austrália: Como fazer, preços e dicas

Intercâmbio na Austrália: Conheça as possibilidades para estudar nesse incrível país

É cada vez mais comum que as pessoas busquem destinos na Oceania como forma de fazer um intercâmbio. Isso porque a ilha australiana é exuberante em suas belezas naturais e possui custos mais em conta do que outros países tradicionais para intercambistas, como Irlanda e Canadá. Além disso, a Austrália possui duas das melhores cidades do mundo para se viver, Sydney e Melbourne, de acordo com o ranking da consultoria Mercer. Quer saber mais sobre o intercâmbio na Austrália?

Aqui você vai ter a oportunidade de entender um pouco mais sobre esse processo. Veja nos tópicos abaixo!

Possibilidades e preços

Assim como nos outros países tradicionais para intercambistas do mundo inteiro, o principal tipo de programa de intercâmbio na Austrália é o que mistura o curso de idiomas e o direito de trabalhar por lá durante esse tempo.

Além dessa possibilidade, é possível escolher vários outros como, por exemplo:

  • Au pair: Neste programa, você trabalha como babá. É necessário ter de 18 a 30 anos, não ser casado, não ter filhos e ter o bom domínio do inglês.
  • Apenas estudar um outro idioma. Você escolhe um curso de idiomas.
  • High School. Este é voltado para adolescentes que pretendem fazer o ensino médio no país.
  • Curso profissionalizante. Neste programa, você tem a possibilidade de fazer cursos técnicos ou profissionalizantes. Apenas para quem tem domínio da língua inglesa.

O programa de 3 meses, com acomodação durante todo esse tempo em república ou casa de família, curso de idioma mais a ajuda da agência para conseguir trabalho lá custa entre 10 e 12 mil reais.O valor para quem vai fazer um curso profissionalizante é o mesmo. Pode parecer caro, porém esse valor inclui a completa hospedagem e alimentação pela Austrália, bem diferente dos programas para os outros países. Sem contar que o valor para ir é alto, mas após conseguir um trabalho, o custo para se manter lá é baixo.

Oportunidade de trabalho

O trabalho para intercambista é o mesmo que para imigrante ou refugiado. São trabalhos mais braçais, como ser garçom em um bar, atendente em lanchonete, auxiliar de loja, entre outros. Pode ser que você consiga algo melhor, principalmente se tiver alguma experiência profissional e aparecer a oportunidade, mas o mais comum são os trabalhos menos valorizados. Apesar de serem trabalhos mais simples, o salário mínimo é o suficiente para se manter e ainda sobra para aproveitar nos fins de semana.

Trabalhar e estudar

O intercâmbio na Austrália mais procurado é o de trabalho e estudo. Uma vantagem da Austrália é essa, pois o intercâmbio no Canadá restringe mais o estudante que quer trabalhar também. O intercambista fica de 3 a 6 meses por lá, estuda meio período e trabalha a outra metade do tempo. Muitas agências oferecem a possibilidade de ficar por 6 meses estudando e trabalhando, mais um mês apenas para aproveitar o país. Com essa divisão, é possível receber um bom salário e pagar todas as contas, viajar e curtir esse incrível país.

Há também a possibilidade de apenas estudar lá por um mês, por exemplo. Por conta da distância e do tanto de coisa para se conhecer no país, a dica é escolher ficar lá por mais tempo. Mas, caso não tenha outro jeito, um mês também gera excelentes experiências.

passaporte-intercambio-na-australia

Dicas

A principal dica é a escolha certa da cidade, de acordo com o estilo de vida que você pretende ter na Austrália. Normalmente, as pessoas pensam existir apenas Sydney e Melbourne, mas são várias as possibilidades de cidades para ficar lá, inclusive a capital do país, Camberra.

Se você quer a agitação dos grandes centros, as principais cidades são sim as melhores opções. Mas muita gente prefere um município menor, mais tranquilo e com todas as belezas naturais que a Austrália pode oferecer. Nesses casos, outros destinos podem ser escolhidos, como Adelaide, Brisbane e Perth.

Outra dica importante é avaliar o quanto por mês é necessário ter para viver bem durante essa temporada na Austrália. Muitos brasileiros que já ficaram lá afirmam que com 1500 dólares australianos por mês é possível viver bem. O salário é entre 25 e 47 dólares por hora. Se você conseguir um emprego de 4 horas por dia já dá para ficar bem durante o seu intercâmbio na Austrália.

O custo de vida é alto, mas o salário suporta e você consegue viver bem. Uma outra dificuldade tem a ver com a gastronomia do local que é bem diferente do Brasil e não há muitas opções internacionais. Apenas nos centros urbanos existem alguns restaurantes brasileiros, mas a alimentação nativa das casas é bem diferente. É um desafio se acostumar.

Entre as vantagens, as principais são as belezas naturais, a educação do povo australiano e a segurança do país.

Austrália ou Nova Zelândia

Ambos os países são incríveis e recheados de belezas naturais. Para quem deseja apenas fazer uma viagem rápida pela Oceania, a dica é visitar os dois. Já para planejar um intercâmbio, é bom olhar algumas questões. Veja abaixo:

População

A Nova Zelândia possui 4,6 milhões de habitantes, enquanto a Austrália atinge 23 milhões. Por isso, caso seu foco seja fazer contatos e participar de eventos grandes, a Austrália é a melhor opção. Um desafio na Nova Zelândia é para se fazer amigos, pois estamos falando de um país pequeno em que as pessoas se conhecem. Muitos moradores nascem e ficam até o fim de suas vidas na mesma cidade, com o mesmo círculos social. Portanto, na sua chegada pode haver uma resistência para se enturmar. Mas não é nada impossível, com o tempo você se acostuma.

Clima

O clima australiano se assemelha muito ao do Brasil, bem tropical. Já a Nova Zelândia vive ciclos de extremos, muito frio ao Norte ou muito quente ao Sul.

Cultura

Enquanto a Austrália incentiva e recebe muito bem estrangeiros e turistas, a Nova Zelândia não segue tanto o mesmo rumo. Muitos visitantes da Austrália brincam afirmando que o lugar não possui sua própria culinária. Parte da cultura australiana é um pouco de várias culturas, devido ao grande fluxo de estrangeiros. Já a Nova Zelândia é bem rígida quando se trata de preservação dos seus hábitos e costumes.

Se tiver gostado deste texto sobre intercâmbio na Austrália, compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais!


Leia também sobre Intercâmbio no Canadá!


 

Intercâmbio no Canadá: saiba preços e como participar dessa aventura

Fazer um intercâmbio, conhecer outra cultura e viver em outro país por um tempo são experiências fantásticas que toda pessoa deveria ter uma vez na vida. No Brasil, um dos destinos mais buscados é o Intercâmbio no Canadá. Além da oportunidade de aprender outra língua, a pessoa vai morar em um país progressista, tecnológico e desenvolvido.

Nos tópicos a seguir você vai ver como são os pacotes de intercâmbio no Canadá. Os preços, a quantidade de semanas e meses e as cidades que você pode se hospedar durante essa aventura. Veja!

Qual o preço?

Os preços para o intercâmbio no Canadá variam de acordo com a cidade e o tempo que você for ficar por lá. Existem pacotes de 1 até 6 meses e o período máximo permitido no Canadá é o de 6 meses. 

Há também os tipos de intercâmbio:

  • Apenas estudar (faculdade, pós graduação)
  • Cursar um idioma (cursinho)
  • Estudar e trabalhar
  • Apenas trabalhar

Todas essas possibilidades são reais e a mais buscada entre os brasileiros é a de estudar o inglês e trabalhar nas horas vagas. Assim você paga a estadia, a alimentação, o transporte e outros gastos básicos no país. Veja os valores para cada pacote.

Qual o valor para 6 meses?

O pacote de 6 meses para o intercâmbio no Canadá pode funcionar de duas maneiras:

  • Você fica apenas 6 meses estudando outro idioma e trabalhando nas horas vagas ou;
  • Faz 6 meses de estudo e fica por mais 6 meses com o direito de trabalhar 40 horas semanais.

Para quem quer curtir e conhecer melhor o país, a principal opção é ficar seis meses a mais e trabalhar por lá. Assim você paga as contas e conhece boa parte do país. Caso você tenha a intenção de morar lá futuramente, trabalhar e fazer contatos é o ideal. Alguns preferem apenas fazer o curso e voltar para o Brasil. É uma excelente opção também.

Os valores para esse tipo de intercâmbio no Canadá variam de 12 a 14 mil reais, a depender do tipo de pacote que você contratar.

Para esse pacote você também pode se hospedar por um mês em uma casa de família nativa e nos próximos meses morar com um amigo. É um jeito de reduzir gastos, mas não é garantido que você vá conhecer alguém de confiança lá para morar junto.

E por 3 meses?

Existe também a possibilidade de você ficar 3 meses no Canadá e estudar por lá. Além dos cursos de idioma, é possível participar de outros tipos de ensino, inclusive em universidades espalhadas pelo país.

Para esse período, os custos cobrados pelas empresas de intercâmbio variam entre 8 mil e 10 mil reais, a depender do tipo de intercâmbio que você escolher.

Por 1 mês?

Para um mês, é possível você fazer o curso de idioma no Canadá e ter acomodação para todos os dias. Os valores para esse tipo de intercâmbio são entre 3 e 5 mil reais, sem contar passagem aérea.

Confira também o post sobre Estudar nos EUA!

Intercâmbio no Canadá de graça?

Intercâmbio grátis no Canadá é o sonho de muita gente. Até a alguns anos, com o Ciências Sem Fronteiras, isso era possível. Agora só é possível se isentar de pagar a mensalidade. Se você está em alguma faculdade, pública ou privada, confira se ela não tem algum tipo de convênio ou aliança com universidades do Canadá.

Caso tenha, é possível que você consiga uma vaga lá. O único problema é que vai ter que pagar por todo o resto, a hospedagem, alimentação etc.

vancouver ou toronto intercambio no canada

Toronto ou Vancouver?

Quando se fala pra onde ir, o destino mais escolhido entre os brasileiros é Toronto, uma das principais cidades do Canadá. A cidade é linda e mega desenvolvida. Tem muitas oportunidades de instituições de ensino e de trabalho para quem deseja ir para lá. O segundo destino mais procurado por brasileiros no Canadá é Vancouver. É outra cidade bem desenvolvida e oferece várias oportunidades.

Vancouver é uma cidade menor e com toda a economia voltada para o turismo. Para quem sabe ainda apenas o básico do idioma, é um lugar mais fácil de viver. Os bairros são pertinhos e as pessoas sabem lidar com estrangeiros. Por isso, se você quer um curso de curta duração ou ainda está aprendendo o básico, Vancouver é a cidade ideal.

Em Toronto a cidade segue o ritmo São Paulo. Tudo agitado, festas, festivais, diversos programas e boates virando a madrugada. É uma cidade acelerada, com maiores oportunidades para cursos superiores e especializados. Toronto é o melhor lugar pra quem quer terminar a faculdade ou fazer uma pós. E curtir a vida noturna, claro!

Um ótimo site para saber mais sobre intercâmbio no Canadá é o EduCanada, que traz uma feira informativa com apoio direto do Governo Canadense.

Caso ainda tenha restado alguma dúvida sobre o intercâmbio no Canadá, deixe o seu comentário aqui embaixo!

Abono pecuniário: Saiba o que isso significa e como você pode pedir o seu!

O abono pecuniário é um nome difícil dado a uma situação muito recorrente em empresas não só do Brasil, mas também de boa parte do mundo. Apesar de poucos saberem o significado do termo, com certeza, a maioria já passou por isso, às vezes por conta própria ou por um pedido do chefe.

Nos tópicos a seguir você vai aprender o significado do termo abono pecuniário, para que ele serve, como é calculado e outras dúvidas a respeito dessa ferramenta muito utilizada pelas empresas. Confira!

O que é abono pecuniário ?

O abono pecuniário é o ato de “vender as férias” para o empregador. Essa situação é muito recorrente no Brasil e sempre ocorreu, na verdade. No lugar de tirar 30 dias de férias, o funcionário vende esse descanso por um preço maior do que receberia, caso passasse esse período em férias realmente.

É uma forma que as empresas conseguiram de manter os funcionários trabalhando e assim não ter gastos para contratar novas pessoas temporárias para o período de férias. E também é uma oportunidade para algumas pessoas que precisam de dinheiro e essa pode ser a solução mais fácil para elas.

O abono pecuniário é legal, a pessoa pode vender parte das férias, mas é mais uma forma de exploração feito pelo empresariado em cima dos empregados.

Como declarar?

No programa de declaração de Imposto de Renda, o Ministério da Fazenda deixa uma parte denominada “Outros” para que o trabalhador coloque formas diferentes de renda do que as apresentadas no software.

Ao entrar nessa pasta “Outros”, você clica em “Rendimentos isentos e não tributáveis” e coloca o valor que você receber de abono pecuniário. É bom lembrar que o abono máximo é de um terço das férias, ou seja, dez dias. Mais do que isso é ilegal.

O abono pecuniário não é tributável, mas é preciso que você o declare. Por isso, ele fica nessa pasta de rendimentos não tributáveis.

Vale a pena?

Tudo vai depender do que você como trabalhador deseja e precisa para a sua vida. As férias são uma oportunidade de repor suas energias, de melhorar a saúde, de ter um contato mais íntimo com sua família e amigos, de viajar, espairecer, enfim, relaxar. Uma época muito curta, mas extremamente essencial para a saúde física, mental e psicológica do trabalhador.

Porém, pode ser que você precise muito desse dinheiro. Então, a decisão tem que ser sua. Se for só apenas pelo fato de ganhar uma grana a mais, sem necessidade disso, prefira tirar férias. Dinheiro algum do mundo vai te fazer mais feliz e satisfeito do que passar dez dias a mais descansando e junto das pessoas que você ama.

Há um problema muito grave de patrões que praticamente exigem que o funcionário venda as férias por meio do abono pecuniário. Se você sofre essa pressão, o nome disso é assédio moral, é crime e o seu chefe tem que pagar por ele. Denuncie, cobre uma boa indenização e evite que ele faça essa ilegalidade com outros colegas seus.

abono pecuniário

A empresa pode negar?

A empresa não é obrigada a comprar as suas férias, assim como você não é obrigado a vendê-la. Tudo vai depender de um acordo em que ambos concordem com a situação. O abono pecuniário é um direito do trabalhador e não um dever dele. Só aceite ou peça essa condição, se for algo que você realmente necessite

Cálculo do abono pecuniário

O cálculo é feito de acordo com o valor determinado em lei pelo pagamento de férias. Nas férias, o empregador é obrigado a te pagar o seu salário mais um terço desse mesmo salário. Ou seja, se você ganha 3 mil reais por mês, você vai receber os 3 mil mais mil reais, no total de 4 mil reais.

Caso você peça o abono pecuniário, você vai receber os 3 mil do salário, os mil das férias e mais o valor da venda das férias.

Exemplo

O cálculo é feito da seguinte maneira:

Valor das férias + valor das férias dividido por 1/3 = abono pecuniário

No caso do exemplo citado no tópico anterior ficaria assim: 1000 + 1000/1/3 = 1333,33. No total, o funcionário receberia: 3000 do salário + 1000 das férias + 1333,33 do abono = 5333,33 reais.

Preciso declarar?

Sim. É preciso declarar o valor recebido pelo abono pecuniário, mas esse dinheiro não é tributado, ou seja, você não vai pagar imposto de renda sobre ele.

Gostou do assunto? Leia também o texto sobre Renda extra!

Agora que você já sabe tudo sobre o abono pecuniário, compartilhe este texto com os seus colegas de empresa!

Visto de trabalho nos EUA: Saiba o que fazer para tirar o seu!

Em momentos de crise a procura de novas opções de trabalho é um fato, e uma possibilidade considerada por muitos é trabalhar fora do Brasil. Uma das opções é os Estados Unidos, lá as possibilidades de emprego são maiores e ainda se paga mais pelos serviços, porém é preciso tirar um visto de trabalho nos EUA para viver e trabalhar lá legalmente.

Confira nesse artigo como fazer para solicitar o seu visto de trabalho e as possibilidades que ele te garante enquanto trabalhador migrante. Vamos conferir?

Como conseguir o visto de trabalho nos Estados Unidos?

Como se sabe, o visto americano não é o dos mais fáceis de conseguir, até mesmo para turistas as exigências são várias e a prerrogativa de concessão é totalmente do governo americano.

No caso do visto de trabalho para os EUA as exigências são ainda maiores do que as de turista. Dividido em quatro subcategorias, o visto americano H, de trabalho, pode ser emitido como H1, H2, H3 e H4. Cada visto possui uma função.

  • H1: É o visto de ocupação especialista e é direcionado a pessoas que precisam viajar aos EUA a trabalho, para desempenhar uma função que ele já tenha sido pré contratado. É preciso apresentar um pedido de contratação por parte do empregador americano.
  • H2: É o visto direcionado a trabalhadores qualificados e não qualificados, nesse caso o visto é concedido a trabalhadores que irão realizar um trabalho temporário nos EUA e que a função seja escassa de profissionais americanos.
  • H3: É o visto americano de trabalho direcionado a estagiários e é concedido a aqueles que irão fazer algum tipo de especialização ou treinamento funcional naquele país.
  • H4:  Esse visto é o que é concedido à família da pessoa que irá trabalhar nos EUA, para que eles o acompanhem.

É preciso entender que o visto de trabalho para os EUA é um visto direcionado para profissionais graduados e capacitados em funções escassas em território americano, ele não é concedido àqueles que desejem trabalhar em empregos como garçom ou servente, por exemplo.

Portanto 3 exigências básicas devem ser preenchidas por aqueles que desejam o visto, é preciso ter qualificação profissional, haver demanda da ocupação nos EUA e possuir um nível de inglês avançado.

Com essas três exigências contempladas você deve ter um empregador responsável que atestará a garantia de pagamento do piso salarial básico americano conforme seu cargo, e demais benefícios, declarando que não há profissional compatível com a função em seu país.

Depois de realizada a requisição do visto por parte do empregador, o prazo de aprovação é de até 120 dias, contudo caso queira abreviar esse tempo o profissional poderá pagar uma taxa adicional de $ 1 mil dólares americanos. O documento poderá ter validade de até 6 anos.

Outro beneficio para aqueles que trabalham nos EUA legalmente, com alguma modalidade de visto H, é a possibilidade de solicitar o Green Card.

Caso seu prazo de 6 anos vença com o seu pedido ainda em andamento, é possível estender a sua estadia no país até o deferimento ou não da sua solicitação.

visto de trabalhos nos eua

Posso trabalhar com visto de turista?

Com uma das legislações mais rígidas no que diz respeito a concessão de vistos, os EUA não permite, em nenhuma hipótese, que o visitante com visto para turista trabalhe naquele país.

O visto de turista apenas lhe concede múltiplas entradas no país com permanência de até 6 meses consecutivos. Trabalhar nesse período é ilegal e pode acarretar na perda permanente do seu documento de entrada.

Em tese, o prazo deste visto de 6 meses pode ser renovado por até 2 vezes, estando você dentro de território americano, prorrogando sua estadia total para até 1 ano e meio, porém esse processo não é tão fácil de conseguir.  É bem rara a concessão desse benefício.

É difícil conseguir?

A questão não é apenas o grau de dificuldade para conseguir o visto de trabalho americano, se você se enquadra dentro das exigências básicas e tem um empregador americano que queira te contratar, conseguir o visto é consequência.

A maior dificuldade é se tornar um profissional especializado que atenda as essas exigências. Por se tratar de um visto muito especifico e que é solicitado mediante demanda, caso você venha necessitar dele provavelmente também se enquadrará nos pré requisitos.

Leia também o texto sobre Morar nos EUA!

E ai gostou do texto sobre Visto de trabalho nos EUA? Então deixa seu comentário!

Morar nos EUA: TODAS as informações que você procura ESTÁ AQUI!

Morar nos EUA é uma possibilidade considerada por muitos brasileiros e já colocada em prática por tantos outros, porém você sabe quais são as exigências legais para que você possa morar naquele país? Antes de tudo você vai precisar de um visto americano, e nesse caso, o de turismo não vale.

Confira abaixo um pouco mais de como morar nos EUA, assim como o custo de vida médio de um morador de terras norte americanas.

Como morar nos EUA?

Morar nos EUA pode ser bastante vantajoso, principalmente no que diz respeito a qualidade de vida e por questões financeiras. Lá o seu trabalho é muito melhor remunerado do aqui no Brasil.

Para começar seu serviço será valorado em dólares, o que em comparação com o Brasil já uma grande vantagem.

Para morar você precisará de uma permissão de entrada e permanência no país, essa permissão vem por meio da solicitação de um visto, que pode ser de estudante ou então de trabalho.

Confira abaixo os principais tipos de vistos para morar nos EUA e as principais características de cada um.

Visto de estudante: O visto F1 (estudante) é concedido a estudantes que irão fazer algum curso que tenha carga horária superior a 18 horas semanais. Para requisitar esse tipo de visto você precisa estar matriculado em alguma instituição americana que emita o I-20.

O I-20 é um documento emitido pelo sistema que gerencia estudantes internacionais naquele país, além você precisará comprovar a sua proficiência em inglês e conhecimentos gerais por meio das certificações TOEFL e GRE, nos casos de High School ou College.

Visto de trabalho: O visto de trabalho americano é direcionado a profissionais que sejam convidados por uma empresa americana a trabalhar lá.

A prerrogativa de exigências para a concessão parte do pressuposto de que a função que você irá desempenhar seja escassa ou então inexistente no país.

O visto de trabalho é o tipo H e ele é dividido em outras 4 subcategorias, o H1, H2, H3 e H4. Cada um possui especificidades que vão depender do tipo de trabalho a ser executado e das suas qualificações. Resumidamente as características de cada um são:

  • H1: Visto de especialista, direcionado a profissionais bem qualificados e que já tenham sido pré-contratados.
  • H2: Para trabalhadores qualificados ou não e que irão realizar algum tipo de trabalho temporário.
  • H3: Para aqueles que irão fazer algum tipo de especialização ou treinamento funcional, e é direcionado a estagiários.
  • H4 :Visto concedido para que a família do trabalhador.

morar nos eua

Tem como levar os filhos?

Sim. Se você está indo aos EUA com um visto de trabalho dos tipos H1 ou H2, é possível solicitar o visto H4 para os familiares. O visto H4 é concedido aos filhos e a esposa (o).

Todo o processo para requisitá-lo é feito baseado na concessão do seu visto principal.

Não há como fazer os dois processos em conjunto, cada um é feito separadamente, até pelo motivo de os tipos de vistos serem diferentes.

Se você for na condição de filho de uma pessoa que está lá a trabalho, terá direito a estudar e viver nos EUA pelo tempo de validade do documento.

É possível morar nos EUA com visto de estudante?

Sim. O visto de estudante permite que o aluno, durante o período de tempo do curso, resida nos Estados Unidos. Além, é possível que o estudante também trabalhe por lá.

Para trabalho de estudantes as regras são as seguintes:

  1.  Durante o seu primeiro ano de curso só será permitido empregos dentro do campus e com duração máxima de 20 horas semanais.
  2. A partir do primeiro ano e durante o período letivo você poderá trabalhar 20 horas semanais em um emprego regular, e durante o período de férias esse tempo é estendido para até 40 horas semanais.

Leia também o texto sobre Estudar nos EUA!

Qual é o custo de vida?

O custo de vida americano, quando comparado ao brasileiro, é bem mais alto, porém os seus rendimentos serão bem mais altos também. O que no final das contas te levará a ter um dinheiro que vale mais, melhorando sua qualidade de vida e poder de compra.

Para usar como exemplo vamos utilizar a cidade de Houston, que possui um custo de vida médio americano.

Confira os principais gastos e seus valores médios:

  • Aluguel: Parte de US$ 500 em um apartamento pequeno já mobiliado.
  • Contas (água, luz e gás): Média de US$ 120 mensais.
  • Internet e telefone: Média de US$ 45 mensais.
  • Transporte: Média de US$ 45 mensais.
  • Alimentação: Média de US$ 230 mensais.
  • Seguros: O seguro saúde custa em torno de US$ 250 para pessoas abaixo dos 40 anos e que não possuam necessidades médicas especiais.

Total: US$ 1.190,00

Gostou do texto? Deixe seu comentário!

Visto Australiano: Como tirar? TODAS as informações AQUI!

Com paisagens exóticas e exuberantes, e o maior salário mínimo do mundo, a Austrália é um ótimo lugar para visitar ou até mesmo morar. Para os brasileiros que desejam entrar nesse país é preciso tirar o visto australiano, e por meio desse artigo você confere as principais dicas para isso.

Dá para tirar online?

Sim! A maneira mais fácil de tirar o visto é online. O processo é iniciado no site da embaixada australiana no Brasil e finalizado no site do governo australiano.

Você deverá preencher diversos formulários e submeter a sua requisição ao final.

Como tirar o visto australiano?

Aqui vamos falar a respeito do visto de turismo, aquele que você tira para apenas visitar o país. No caso da Austrália, o visto de turismo possibilita ficar no país por um período máximo de 3 meses com possibilidade de múltiplas entradas.

O visto de turista também te possibilita estudar inglês no país, em um curso de duração de no máximo 12 semanas. Se você precisar, por algum motivo extraordinário, permanece no país por mais de 3 meses com o visto de turista, é possível solicitar essa permanência mediante justificativa, que poderá ser aceita ou não.

Agora vamos ao mais importante, tirar o documento. Confira abaixo o passo a passo para tirar o visto australiano:

  1. Antes de qualquer coisa você precisa criar uma conta no ImmiAcount, que é a porta de entrada para você ter acesso aos serviços online do governo, inclusive o de solicitar o visto. Para isso basta proceder ao site da embaixada australiana no Brasil.
  2. Já dentro do site você verá a possibilidade de traduzi-lo para o português, localizado no canto superior direito. Faça isso caso não seja fluente na língua inglesa.
  3. No menu principal superior clique em “Conheça a Austrália” e logo em seguida em “Vistos e Imigração”. Será aberta uma página com a opção “ImmiAccount – Procedimento inicial obrigatório para vistos online”, clique nela.
  4. A partir desse momento você será direcionado a uma página do governo australiano e todas as informações estarão em inglês, caso não tenha conhecimento da língua, a ajuda de alguém que saiba irá ser um facilitador.
  5. Na página aberta clique em “Create an Individual ImmiAccount” e logo em seguida em “create an ImmiAccount”. Será aberta uma janela em pop-up com um formulário dividido em duas etapas, nele serão definidos seu nome de usuário e senha. Preencha tudo e clique em “Submit”, sua conta estará criada.
  6. Agora é hora de solicitar o seu visto. Acesse a página e faça o login com o seu nome de usuário e senha, já na área de usuários clique na opção para solicitação de visto. O processo de preenchimento dos formulários é extenso e é preciso ter atenção nessa etapa.
  7. Depois de preenchidos e submetidos os formulários, será gerado um boleto com a taxa para aplicação do visto. Após o pagamento, a resposta da sua solicitação sai em um prazo de até 10 dias úteis por meio de uma notificação por e-mail.

visto australiano

Quanto custa?

O site da embaixada tem disponível um link que você pode consultar o valor das taxas para tirar o visto australiano, conforme o tipo de visto e a data que pretende solicitar.

Os valores costumam variar de $ 135 a $ 340 dólares australianos (AUD).

Visto de estudante

Para aqueles que desejam estudar na Austrália por um período superior a 12 semanas é necessário solicitar o visto de estudante.

Para isso você deve se matricular em uma instituição de ensino que seja autorizada a receber estudantes estrangeiros.

Durante o processo de solicitação você deverá comprovar a sua capacidade de se manter financeiramente no país e ter o comprovante de matrícula da instituição de ensino escolhida, assim como o comprovante da cobertura de saúde do estudante.

O prazo para sua solicitação ser analisada é de até 25 dias úteis.

Tive o visto negado, e agora?

Se por algum motivo o seu visto for negado, seja por informações divergentes, falta de documentação ou outros motivos, você poderá fazer uma nova solicitação, corrigindo os motivos da negativa anterior.

Para evitar possíveis transtornos e perda de tempo na hora de requerer o seu visto, fique atento ao preencher as informações de solicitação. Pequenos detalhes de erro pode ser motivo suficiente para o seu visto ser negado.

Gosta do assunto? Leia também Visto Canadense!

Visto Canadense: Como tirar? Quanto custa?

Com facilidades de emissão para brasileiros, o visto canadense é pré requisito para aqueles que desejam visitar, estudar ou então trabalhar no Canadá. O país nos últimos anos tem se destacado com políticas sociais e de migração mais humanizadas e receptivas para estrangeiros.

Se você está interessado em visitar ou então migrar para o Canadá, nesse artigo vamos mostrar resumidamente as regras e formas de tirar seu visto.

Como tirar o visto canadense?

O Canadá disponibiliza diversas modalidades de vistos, divididos nas categorias turista, residente temporário, permissão para trabalho e permissão para estudos. A princípio vamos abordar a emissão do visto para turistas.

O visto canadense para turistas é dividido em duas subcategorias, uma é o visto de entrada, que permite entrar uma vez no país e geralmente tem validade de 6 meses, o outro é o visto de múltiplas entradas, com validade de até 3 anos.

Ao solicitar um dos vistos será exigida a apresentação de diversos documentos, e para facilitar a vida do requisitante, o governo disponibiliza o check-lists, que poderá ser baixado no Centro de Requerimento de Visto do Canadá, por meio do site de migração canadense.

Os documentos necessários para o visto de turista incluem:

  • Formulário de solicitação IMM5257 (pode ser baixado no site do Centro de Solicitação de Visto – VAC)
  • Formulário de informações complementares
  • Formulário Family Information (IMM5645)
  • Cópia da carteira de identidade, duas fotos 3×4 e passaporte.
  • Comprovação de laços econômicos sociais e financeiros com o Brasil.
  • Permissão de viagem aos menores de 18 anos.
  • Comprovante do pagamento da taxa de emissão do visto.
  • Formulário de consentimento e comprovante de pagamento VAC.

visto canadense

Tem como tirar online?

Sim, inclusive o processo de solicitação do visto deve ser todo feito online por meio do site. Confira abaixo o passo a passo para tirar seu visto canadense online:

  1. Primeiro você deverá responder a alguns questionários com os motivos de estar solicitando o visto, serão solicitadas informações pessoais e de expectativas com a viagem. O preenchimento leva em torno de 10 a 15 minutos e pode ser feito pelo site.

Depois de preencher o questionário será fornecido um código pessoal de check-list, os documentos que deverão ser providenciados e os custos de taxas da solicitação.

  1. Com o código de check-list em mãos, por meio do mesmo site, você deverá criar uma conta procedendo até o menu “My Immigration or Citizenship Application” e clicando em “Create na account”.
  2. Criada a conta é hora enviar os documentos e formulários que serão requisitados. Tudo poderá ser preenchido e enviado eletronicamente por meio do site.
  3. Serão geradas as taxas de emissão que podem ser pagas por cartão de crédito ou então boleto bancário. Depois de realizado o pagamento você será informado por e-mail a respeito de qualquer novidade da sua solicitação.

No caso de concessão do visto, será solicitado o envio do passaporte via correios para fixação do documento.

Quanto custa?

As taxas cobradas na emissão do visto variam conforme o tipo de visto solicitado. Confira os valores abaixo:

  • Visto de residente temporário: R$ 300.
  • Visto de trânsito: Não há taxas de emissão.
  • Visto familiar: R$ 1.345.
  • Visto de trabalho: R$ 465.
  • Permissão de estudos: R$ 450.

Além das taxas citadas, será cobrada uma taxa VAC por pessoa no valor de R$ 99,64, obrigatória em todos os casos.

Visto de trabalho

O procedimento para tirar o visto de trabalho canadense é o mesmo citado no tópico anterior para tirar o seu visto online.

A lista de documentos exigidos para esse tipo de visto é mais extensa e você poderá consultar quais são por meio do site de emissão de vistos.

Um dos requisitos para solicitar esse tipo de visto é o de uma empresa canadense solicitar o visto para você trabalhar lá. Com isso você deve conseguir um emprego no país antes mesmo de sair do Brasil ou solicitar o visto.

Tive o visto canadense negado, e agora?

Caso você tenha seu visto negado por algum motivo, seja ele falta de documentação, informações erradas ou outros motivos, não há um prazo mínimo de espera para uma nova solicitação.

Você poderá fazê-lo logo depois da negativa, porém recomenda-se aguardar um prazo de pelo menos 6 meses.

Leia também o texto sobre Visto Americano e deixe seu comentário!

Estudar nos EUA: Saiba AQUI o que você deve fazer para realizar esse sonho!

Estudar nos EUA é uma boa opção para brasileiros que desejam aperfeiçoar o inglês, fazer um curso técnico, ou até mesmo concluir o ensino médio e faculdade nesse país. O sistema de ensino americano se assemelha muito ao brasileiro e essa é uma vantagem na hora de validar o seu curso aqui no Brasil.

Confira abaixo dicas resumidas para você que deseja estudar nos EUA e está sem saber como e por onde começar.

Como estudar nos EUA?

Para estudar nos EUA, seja qual for a modalidade de curso que pretende fazer, você precisa atender as exigências de documentação para entrar e estudar no país.

A documentação solicitada difere conforme o curso escolhido.

Por exemplo, se você for fazer uma faculdade, a documentação exigida é diferente da documentação exigida em um curso de idiomas.

Confira abaixo os documentos necessários divididos em tipos de curso:

  • Curso de idiomas nos EUA: Nesse caso o aluno deverá solicitar o visto de estudos F1 ou então o de turista em casos especiais, falaremos sobre ele mais abaixo. O visto F1 é concedido a estudantes que vão fazer algum curso nos EUA que tenha carga horária superior a 18 horas semanais .

Com o visto F1 concedido você precisa estar matriculado em alguma instituição de ensino americana que emita o I-20. O I-20 é um documento emitido pelo sistema que gerencia estudantes internacionais, e é esse sistema que irá monitorar a sua freqüência as aulas,podendo cancelar o seu visto caso você não esteja dentro das regras.

  • Cursar o High School nos EUA: O high school americano é compatível com o ensino médio brasileiro e para estudar essa modalidade de curso nos EUA você precisa ter entre 14 e 18 anos, nível intermediário de inglês e um bom histórico escolar, além do visto F1 para estudantes.
  • Cursar o College: College é compatível com a faculdade brasileira, para cursar-la a documentação exigida é extensa, sendo necessário providenciar diversos documentos. Os documentos exigidos pelo College, além do visto, são:
  1.  Certificado TOEFL e GRE: Essas duas certificações são para atestar o seu nível de inglês no caso do TOEFL e para atestar o seu nível de conhecimento em matérias regulares como humanas e exatas, no seu caso do GRE.
  2. Personal Statement: O PS é uma carta de uma página, escrita em inglês, onde você deverá colocar o motivo pelo qual a faculdade deveria te aceitar como estudante.

Além desses três documentos principais, você precisará apresentar cartas de recomendação, currículo, atestado de vacinação, copias traduzidas do historio escolar do ensino fundamental e médio assim como os certificados de conclusão.

estudar nos eua

Posso estudar com visto de turista?

Você pode estudar nos Estados Unidos com visto de turista, porém algumas regras devem ser cumpridas para que o seu curso se enquadre nessa modalidade de documentação.

Você deverá cursar um curso que tenha carga horária máxima de 18 horas semanais e duração total que não passe de 3 meses (90 dias), caso o curso pretendido supere as horas ou dias é preciso solicitar o visto de estudantes F1.

Bolsa para estudar nos EUA

Existem diversos programas americanos, de organizações privadas e até mesmo governamentais, que oferecem bolsas de estudos para estudar de graça nos EUA.

Para se candidatar a uma dessas bolsas é preciso ficar atento as datas dos processos seletivos.

A seleção geralmente ocorre anualmente por meio da avaliação de documentação e provas especificas que irão testar o seu conhecimento da língua inglesa e das matérias regulares de ensino.

Buscando na internet você encontra diversos programas de bolsas e suas exigências.

Posso estudar e trabalhar nos Estados Unidos?

O visto de estudante garante a pessoa que está fazendo o intercâmbio a possibilidade de trabalhar nos EUA, porém é preciso ficar atento a algumas regras.

Confira abaixo as regras para estudar e trabalhar nos Estados Unidos com o visto F1, já citado no artigo:

  • Durante o primeiro ano do curso você só poderá trabalhar em empregos dentro do campus e com duração máxima de 20 horas semanais.
  • Após o primeiro ano, você poderá trabalhar em um emprego regular por até 20 horas semanais durante o ano letivo e até 40 horas semanais no período de férias.

Estudar nos EUA não é muito simples, é preciso atender aos diversos requisitos de documentação e nos casos em que não é por meio de bolsa de estudos, costuma ficar bem caro, porém se esse é o seu sonho, corra atrás dele.

Diversas pessoas atingem essa meta e você pode ser uma delas.

Jequiti: Saiba aqui como se tornar uma revendedora! Todas as informações!

A Jequiti é uma marca de cosméticos do Grupo Silvio Santos, que vende produtos de beleza e perfumaria através de consultoras (revendedoras) e pela internet desde 2006. Com uma linha muito variada de produtos, rapidamente se tornou uma marca muito popular, sendo uma boa opção para quem quer aumentar a renda mensal com horários flexíveis.

Veja no artigo de hoje como se tornar uma revendedora Jequiti, os principais produtos, como fazer os pedidos, saiba se a marca trabalha com marketing multinível e muito mais.

Como se tornar uma revendedora Jequiti?

Se você quer aumentar a sua renda mensal, ou quer começar a trabalhar por conta própria e fazer o seu próprio horário, saiba que se tornar uma revendedora Jequiti é muito fácil e rápido. Você pode acessar o site da empresa e clicar em “Quero ser uma consultora Jequiti”, e preencher os seus dados pessoais no formulário do site, ou ligando para o SAC da empresa, pelo número 0800 776 7575. Seus dados vão ser analisados e retornar em torno de 15 dias depois, para te dar a resposta da sua solicitação.Jequiti revendedora

Vantagens

Além de aumentar a sua renda familiar, ser uma revendedora Jequiti oferece algumas vantagens que nenhuma outra empresa oferece:

  • A oportunidade de ser sorteada junto com a sua cliente para participarem do programa Roda a Roda Jequiti e ganharem um prêmio extra de até 1 milhão de reais em barras de ouro (e conhecer o Silvio Santos pessoalmente).
  • Vale saúde, um benefício dado a partir do 3º pedido, para a revendedora realizar consultas, exames e procedimentos médicos com até 85% de economia, numa rede ampla de profissionais cadastrados.
  • Vale descontos, que também é liberado após o 3º pedido, que faz você economizar de 50% a 90% em mais de 40 mil locais em todo o Brasil, pagando muito mais barato pela academia, o jantar especial, o curso de inglês e informática e em compras feitas pela internet.

Pedidos Jequiti

As revendedoras podem fazer os pedidos pela internet, de forma rápida e simples, na comodidade da sua casa. Para isso, basta acessar o site da Jequiti e clicar em “Jequiti com você”, informando os seus dados para fazer o login (CPF ou código de revendedora e a senha).

Clicando em “pedidos online”, basta digitar o código de cada produto vendido e a quantidade, e no final, confirme o endereço de entrega.

Posso comprar na loja virtual?

Sim. Apesar de ter vários revendedores Jequiti espalhados por todo o Brasil, você também pode comprar os seus produtos favoritos na loja virtual. Você pode buscar o produto pelos departamentos, pela faixa de preço ou pelo nome, além de conhecer os lançamentos e promoções em primeira mão.

Comprando na loja virtual você pode pagar com os cartões de crédito ou via boleto bancário.

Jequiti produtos

Jequiti com você

Jequiti com você é o nome da área da revendedora / consultora para fazer os pedidos, consultar os preços e produtos, resgatar pontos, tirar dúvidas, e muito mais.  Essa área pode ser acessada pelo site da empresa, ou pelo www.jequiticomvoce.com.br

Para fazer parte, basta se tornar uma revendedora Jequiti.

Produtos

Como falamos, a Jequiti é uma empresa de cosméticos, com produtos de perfumaria (feminina e masculina), maquiagem, cuidados diários e produtos específicos para bebês e crianças (Baby / Teen).

Veja quais são os campeões de audiência, ou seja, alguns dos produtos Jequiti mais vendidos em cada um desses departamentos:

  • Perfumaria: os perfumes das estrelas, como a colônia desodorante Eliana, Adriana Galisteu, Fábio Junior, Anitta, Xuxa, Lucas Lucco, Luan Santana e outros.
  • Maquiagem: São produtos para a boca (batom), olhos (rímel, lápis, sombra, etc.), rosto (blush, base, primer, corretivo, etc.) e unhas (esmaltes, removedor e outros produtos), divididos nas linhas Aviva, Aviva Nude You e Ellas.
  • Cuidados diários: Tem produtos para a pele (como hidratantes, óleos e sabonetes), cabelos (shampoo, condicionador e produtos diversos para tratamentos) e higiene íntima.
  • Baby / Teen: Tem o perfume da Larissa Manoela, do Batman, da Mulher Maravilha, da Arlequina, além de uma linha de maquiagem especial para as meninas.

Jequiti é Marketing multinível?

Sim. O lucro das revendedoras Jequiti vem tanto de suas vendas diretas quanto do lucro dos vendedores que elas recrutam, o que caracteriza o marketing multinível.

Veja também como se tornar uma revendedora Natura, Hinode e Avon.

Ficou com alguma dúvida? Este conteúdo te ajudou de alguma maneira? Deixe seu comentário!